Boca inaugura escola em SP e sonha com craque brasileiro

Gazeta Esportiva

Bruno Ceccon – São Paulo (SP)

Em um futuro próximo, um brasileiro pode herdar a camisa 10 de Riquelme e ouvir seu nome gritado na Bombonera. A possibilidade parece remota, mas o canal entre o Club Atlético Boca Juniors e o bairro da Penha, na Zona Leste de São Paulo, será aberto neste sábado.

O time de Buenos Aires já conta com escolas nos Estados Unidos, na Bolívia, no Equador, no Peru e na Colômbia. No Brasil, em parceria com a DFS Gol Business, empresa de consultoria e gestão esportiva, a meta é contar com 13 unidades até o mês de agosto de 2011.

Para abrir uma franquia da escola do Boca Juniors, é necessário desembolsar R$ 24 mil e pagar ao clube 10% do valor arrecadado com as mensalidades periodicamente. A unidade da Penha, localizada na altura do número 77 da Rua Talma de Oliveira, já conta com 70 alunos.

Andrés Lillini, coordenador técnico das categorias de base e das escolas do Boca Juniors, está no Brasil para fazer os últimos ajustes e acompanhar o lançamento da unidade Penha, que funcionará com a metodologia de ensino utilizada nas divisões inferiores do próprio clube.

De acordo com os organizadores, o principal objetivo não é encontrar novos talentos, mas sim difundir a marca do Boca Juniors no Brasil. Ainda assim, profissionais do clube farão avaliações periódicas junto aos alunos e, caso encontrem alguma promessa, não perderão a oportunidade.

“Há um grande respeito pelo jogador brasileiro. Se alguma das franquias receber um talento, eu avaliarei a possibilidade de levá-lo a Buenos Aires. No futebol, você pode encontrar um talento onde menos espera. Se acontecer, bem-vindo seja”, afirmou Lillini.

Por outro lado, ele lembrou que levar um jogador menor de idade para atuar fora de seu respectivo país é proibido pela Fifa e exige medidas especiais, a exemplo do que o Milan fez com Alexandre Pato, revelado no Internacional. “Nesse caso, seria mais uma decisão de diretoria do que esportiva”, explicou Lillini.

Até o momento, o Boca Juniors ainda não encontrou uma revelação em sua rede de escolas. No entanto, um grupo com três garotos de cada unidade foi selecionado para passar por um período de 10 dias de treino em Buenos Aires ao lado dos demais jogadores.

No elenco convocado pelo técnico Diego Armando Maradona para disputar a Copa do Mundo da África do Sul, o atacante Carlos Tevez, o lateral esquerdo Clemente Rodriguez e o lateral direito e zagueiro Nicolas Burdisso passaram pelas categorias de base do Boca Juniors.

RAÇA DESDE PEQUENO

Uma das particularidades do Club Atlético Boca Juniors, dono de três títulos mundiais e seis Copas Libertadores, é a raça demonstrada pelos jogadores dentro de campo, algo que os professores procuram reproduzir nas escolas.

“Isso é difícil de transmitir, mas quando o jogador começa a respirar o ambiente, incorpora essa garra. É isso que estamos tentando levar para todas as franquias do mundo, esse amor pela camiseta”, afirmou Lillini.

Para o coordenador, o Boca ganha muitas partidas na base da raça. “Os jogadores de muita garra, de muito temperamento, quando é impossível vencer o jogo de uma determinada maneira, ganham de outra”, explicou.

http://www.gazetaesportiva.net/nota/2010/10/01/657087.html

Por : admin /Outubro 01, 2010 /Notícias

Envie seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

  • DFS
  • Sobre

    A DFS Gol Business é uma empresa de caráter privado especializada em gestão e consultoria empresarial no esporte.

  • Newsletter

    Cadastre-se e receba as novidades da DFS Gol Business.